Translate

terça-feira, 7 de agosto de 2012

No Flamengo, situação e oposição divergem sobre o marketing



Em ano de eleição, oposição e situação sempre buscam questões para debater. E nos clubes de futebol, entre eles o Clube de Regatas Flamengo, não é diferente. Em dezembro, um novo processo eleitoral acontecerá no clube da Gávea e diversas correntes já se manifestam em torno dessas eleições.

Um destes grupos é o Planeta Fla, movimento liderado pelo advogado, empresário e jornalista Ricardo Gomlevski, candidato ao posto de presidente do Flamengo, e que busca, principalmente, a reforma do departamento de marketing do clube, que consideram “sucateado” pela atual gestão Patrícia Amorim.

“A gestão Patrícia Amorim está cheia de falhas. Houve uma surpreendente piora em relação ao marketing. Nada foi feito. Em três anos de seu mandato, o clube não conseguiu vender sequer um patrocínio máster”, afirmou Gomlevski, em entrevista à Maquina do Esporte.

“Nós estamos projetando a próxima gestão de marketing do Flamengo. Hoje em dia o Flamengo tem apenas o quinto faturamento com marketing no Brasil, sendo que tem a maior torcida não só do país, e sim do mundo. Não há razão para que isso aconteça, a não ser por incompetência e despreparo da atual gestão”, declarou.

Em resposta as declarações da oposição, Henrique Brandão, vice-presidente de marketing do Flamengo afirma que o marketing do clube é profissional e, ao mesmo tempo, realista em relação ao mercado atual. “O marketing do Flamengo é totalmente profissionalizado. Nós somos a gestão que mais ampliou o departamento, chegando ao máximo que o estatuto nos permite. O Flamengo não está acima do mercado. O momento econômico em geral é complexo, não podemos pensar em valores estratosféricos”, afirmou Brandão.

“Nós somos o clube que mais ganhou com patrocínios na camisa este ano no Brasil. Mesmo sem um patrocínio máster, conseguimos arrecadar 20 milhões líquidos. Muita se ouve de clubes como Corinthians e São Paulo, que ganhariam valores absurdos, alguns falam até em 70 milhões. Mas cadê esse dinheiro? Hoje em dia nenhum deles tem patrocínio máster vendido. Nós não alardeamos, somos concretos”, completou.

O Planeta Fla alega ainda que as atitudes da atual gestão prejudicam também a valorização do Flamengo como marca. “A presidente mente para a imprensa, tem mau relacionamento com os jogadores, permite a saída conturbada de atletas, como no caso do Ronaldinho, põe cláusulas de rescisão absurdas nos contratos dos técnicos e depois manda embora[...] Ela está tendo uma má performance como dirigente porque é despreparada e desqualificada para o cargo.”, disse o candidato.

“É uma boa moça, representou muito bem o clube como atleta, mas não tem capacidade de dirigir um clube como o Flamengo.”, completou Gomlevski.

Já Brandão acredita que a marca do clube se mantém forte apesar do período turbulento do futebol. “A saída desses técnicos não mexeu com a marca. Não sei se o método é certo ou errado, mas é algo normal no futebol brasileiro. Não estamos na Inglaterra, onde os técnicos duram décadas, como o Ferguson e o Wenger. Aqui, o técnico é algo que não tem relação direta com a marca, é algo que não influi. O que influi na valorização da marca dos clubes é a conquista de títulos e o bom desempenho em campo. Em 2009 trocamos de técnico mais de uma vez, mesmo assim fomos campeões e vendemos mais de um milhão de camisas com a Olympikus”, afirma.

Ainda sobre a influência sobre a marca, Brandão afirma que alguns casos tiveram sim certos efeitos negativos para a instituição. “O caso do Ronaldinho afetou um pouco nossa marca porque ele é a figura do ídolo. O ídolo é algo que sempre ajuda a valorização da marca, é um símbolo do clube. O caso Bruno também foi ruim para nós, mas o clube se recupera rapidamente. Acho que o que sai mais afetado é a visão da garotada, dos jovens torcedores, que tem seus ídolos como referência, mas que não entendem bem o que está acontecendo”, disse o dirigente.

O grupo opositor à gestão atual defende também a autonomia do departamento de futebol do clube: “Nós queremos a autonomia do departamento de futebol. Com dirigentes profissionais, orçamento próprio, um gerente e uma equipe capacitados para administrar uma equipe como deve ser feito.” O Futebol passaria a ter gestão própria, independente dos demais setores do Clube, regulada e controlada por um instrumento de delegação planejada, aprovado pelo Conselho do Flamengo”.

O Planeta Fla é um projeto sustentado por doações de sócios e torcedores do clube e não conta com ajuda de empresas. O projeto foi lançado em marco deste ano e visa às eleições presidenciais do Flamengo em dezembro, onde a atual comandante, Patrícia Amorim, poderá ser reeleita.

Além de Gomlevski e Amorim, Marcus Braz, ex-diretor da gestão Patrícia Amorim é outro possível candidato à presidência do clube. O empresário e ex-nadador do clube, Lysias Itapicurú, e o publicitário Affonso Romero são outros candidatos da lista.

Já a coluna “Gois de Papel”, do jornalista Anselmo Gois, do jornal O Globo, e o blog “O Cronista Esportivo” afirmam que outro grupo da oposição, o movimento “Ocupe o Flamengo”, comandado pelos ex-presidentes do clube Márcio Braga e Kléber Leite, haveria contatado os executivos Carlos Geraldo Langoni, ex-presidente do Banco Central do Brasil, Rodolfo Landim, ex-executivo da OGX, Luís Eduardo Baptista, presidente da Sky, e Flávio Godinho, executivo da MPX para preparar um projeto com diretrizes básicas para a modernização do clube.

Fonte: Máquina do Esporte
Postar um comentário