Translate

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

‘Não piso mais no Flamengo’, afirma Patricia Amorim



por Bruno Braga



A reprovação do balanço patrimonial de 2011 do Flamengo movimenta a política do clube no início da gestão do presidente Eduardo Bandeira. A ex-presidente do Flamengo, Patricia Amorim, reconheceu os erros na contabilidade e uma demora excessiva para substituir o contador Rogério Tosca da Encarnação diante dos problemas apontados pelo Conselho Fiscal, mas não esperava que as contas fossem reprovadas pelo Conselho Deliberativo, na última reunião na terça-feira. Para apurar as irregularidades apontadas pela Comissão de Finanças, ficou decidido que o clube contratará uma auditoria para apurar as possíveis irregularidades e uma comissão de inquérito também será formada para dar suporte na investigação. Surpresa com a decisão, a ex-mandatária se defende e diz que não teve dolo ao Clube Rubro-Negro e revela que enquanto for desrespeitada, não vai mais ao clube.

- Esperávamos outra condução do Deliberativo. Não piso mais no Flamengo. Eu não volto mais no Flamengo enquanto eu não for tratada de forma respeitosa. Eu estou há 35 anos no clube. Se quiserem colocar os meus títulos à disposição, sem problemas. Não tenho ido mais ao clube. Não vou mais, pela forma como tudo está sendo conduzido. Não sinto mais vontade de frequentar um clube que eu sempre frequentei. Perdi o encanto – revelou a ex-dirigente.

A ex-presidente Patricia Amorim queria uma aprovação das contas com ressalvas, e lembrou que no passado aconteceram erros semelhantes e mais graves e que a decisão foi determinada por uma vontade política de grupos que querem arruinar a imagem dela e, de quebra, ganhar notoriedade com a proximidade da eleição do Conselho Fiscal, que será realizada em março deste ano. Aliados de Patricia Amorim dizem que ela promete contra-atacar e não deixar barato as acusações.

- Acho que foi dado um julgamento político. Existia, sim, uma desorganização contábil. Eu talvez eu tenha demorado demais para trocar o contador. Mas fomos alertados para mudar e mudamos. Contratamos outro (contador) e um executivo de finanças que está no clube até hoje. Nós entregamos tudo que foi pedido pelo conselho. E isso não foi levado em consideração. O Hélio Ferraz votou na chapa Azul e defendeu a aprovação das contas com ressalvas. A questão não foi tratada de forma técnica, mais política. Foi um linchamento político, um revanchismo. Um preconceito. Os R$ 7 milhões, por exemplo, tinham coisas que não eram da minha gestão. Eu não tinha como responder. Os R$ 32 milhões era uma classificação de despesas futuras, um contrato de cinco anos que foi assinado, por exemplo – disse Patricia Amorim.

Dois pontos importantes chamaram a atenção durante a última reunião: não houve uma mobilização por parte dos ex-vice-presidentes para tentar reverter a decisão de reprovar as contas. Aliados importantes como o ex-vice de finanças Michel Levy, o ex-vice jurídico Rafael de Piro e o ex-vice de marketing Henrique Brandão não compareceram à votação. Coube então ao ex-vice presidente geral, Hélio Ferraz, que rompeu com Patricia Amorim no fim da gestão para apoiar a Chapa Azul, do presidente Eduardo Bandeira, a defender uma aprovação das contas com ressalvas. Para defender a reprovação, Arthur Rocha e Walter D’Agostino, dirigentes na época do ex-presidente Márcio Braga fizeram críticas à parte financeira do clube. Na outra ponta, os líderes do governo não se mobilizaram e deixaram a decisão por conta dos conselheiros do clube. Os únicos a compareceram à votação foram presidente Eduardo Bandeira e o vice de futebol Wallim Vasconcellos. A decisão pode dificultar o clube a conseguir patrocínios de órgãos públicos, como o da Caixa Econômica.

- Acho que comissão de inquérito é algo muito agressivo. Não vejo necessidade disso. Uma coisa é contratar uma auditoria, acho certo. Mas antes de apurar já abrir uma comissão de inquérito? Mas será que adianta eu falar, me explicar? Isso de certa forma induz a opinião pública e a auditoria que será contratada. Não teve dolo nenhum ao Flamengo. Não teve má fé. Isso ninguém duvida. Estou com a minha consciência tranquila. O Flamengo vive um momento tão bom, foi vendido um momento de união. Em 2009 não fizemos essas caças às bruxas. E é o mesmo grupo que quer acabar com a minha imagem. Fomos tolerantes com tantos ex-presidentes – lembrou a mandatária.


Fonte Link



Siga-nos pelo twitter e fique por dentro das noticias do mais querido do mundo
Postar um comentário