Translate

terça-feira, 24 de julho de 2012

Briga entre Coutinho e Levy piora o ambiente do Flamengo



Onde tem fumaça tem fogo, charuto e fritura também entre dirigentes. Joel Santana caiu, o clube tenta acertar o mais rápido possível com um novo treinador, mas, em outra frente de batalha, terá que combater problemas internos que deixam o vice-presidente de futebol, Paulo Cesar Coutinho, e o de finanças, Michel Levy, com futuro incerto em seus cargos. Contra Coutinho pesam acusações chamadas de “sacolinha preta”. Jogadores estariam incomodados com o fato de o vice recolher camisas depois dos jogos independentemente do resultado. Na Gávea, circula a informação de que seria para trocar por charutos cubanos. Outro relato dá conta de que ele teria dormido no vestiário do estádio do Pituaçu antes da partida contra o Bahia, cena presenciada por diversas pessoas. Já Levy tem resistência de grande parte de aliados da presidente Patricia Amorim. Os grupos dos dirigentes duelam entre si. E os dois podem cair.

- Tenho minha cota de camisas. Estão querendo me limar – afirmou Coutinho, ao ser questionado sobre a notícia da suposta troca de camisas do Flamengo por charutos cubanos.

O vice de futebol tem direito a 50 camisas por mês. Ainda assim, depois da derrota por 3 a 0 para o Corinthians na semana passada, alguns jogadores se surpreenderam quando Coutinho recolhia camisas no vestiário do Engenhão e colocava as peças dentro de um saco preto preso à cintura.

- O time perde, e ele está preocupado em pegar camisas – reclamou um dos jogadores.

Sobre o cochilo antes do jogo contra o Bahia, apesar de a cena ter sido presenciada por jogadores e membros da comissão técnica, Coutinho nega o episódio:

- Não tinha nem onde dormir, nem espreguiçadeira. É mentira cabeluda – afirmou o dirigente.

Coutinho esteve perto da demissão no episódio do vídeo sobre Ronaldinho Gaúcho. O dirigente foi flagrado por torcedores de Teresina detonando o ex-camisa 10 num momento delicado da relação do jogador com o clube. No mesmo dia, Ronaldinho anunciou que colocara o Flamengo na Justiça. Na ocasião, Zinho pediu a permanência de Coutinho.

A situação de Michel Levy também é delicada. Diversos vices de Patricia Amorim condicionam suas permanências à saída do vice de finanças. Responsável pelo dinheiro das contratações, Levy não fala a mesma língua de Coutinho, e os aliados de cada parte vivem em guerra interna. Nas reuniões, o dirigente é questionado, mas ganhou respaldo de Patricia Amorim em embates com Zico e Vanderlei Luxemburgo. Mas há algum tempo a paciência da presidente com seu vice de finanças chegou ao fim.

Procurado pela reportagem, Levy não atendeu às ligações.

- É questão de dias – afirmou uma pessoa ligada à diretoria ao ser questionada sobre a possibilidade de saída de Levy.

Fonte: Globo
Postar um comentário