Translate

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Com pouco tempo de Flamengo, Paulo Pelaipe acumula poderes dentro do clube




Alta cúpula de futebol rubro-negra deu carta branca a diretor executivo que centraliza parte das decisões



Bruno Braga e Eduardo Mendes

Paulo Pelaipe tem grande poder nas decisões dentro do Flamengo (Foto: Paulo Sérgio)

Indicado por Paulo Pelaipe para o departamento de base, Marcos Biasotto já trabalha no Flamengo há quase duas semanas. Criou-se um cargo para o novo profissional, mas sem funções específicas, por ora, e que não foram passadas aos gestores do futebol amador. A situação é apenas um exemplo de como o respaldo da alta cúpula ao diretor tem deixado Pelaipe, que tem dois meses no clube, com poderes ilimitados.


Até mesmo assuntos corriqueiras estão sendo tratados pelo dirigente. As reclamações sobre o gramado dos campos no Ninho do Urubu chegaram a Pelaipe e, ontem, ele conversou com o Dorival Júnior. Coincidência ou não, funcionários cortaram a grama do campo cinco na quarta à tarde e, ontem, fizeram o mesmo trabalho no quatro.


Quando o nome de Biasotto foi levado por Pelaipe, a ideia do dirigente era que ele assumisse o cargo de gerente de futebol. O diretor queria alguém da confiança dele para trabalhar no Flamengo. Marcos, porém, preferiu exercer alguma função na base, como foi no Grêmio em 2011, quando chegou ao clube por pedido de Pelaipe.


O diretor tem controlado até o contato dos funcionários com os vices. Avisou, inclusive, que qualquer comunicação com a alta cúpula será intermediada por ele. Tais determinações têm gerado insatisfação interna, como também sobre o trato de Pelaipe com alguns funcionários. Queixam que é difícil escutar um “bom dia” do executivo.


Publicamente, o dirigente costuma adotar um discurso coletivo, minimizando a participação dele, por exemplo, nas contratações. Pelaipe gosta de citar os vices que estão acima dele na hierarquia, exaltando, com frequência, a nova filosofia do Flamengo.

Relação com Leite gera crítica

A aproximação de Carlos Leite com o Flamengo por meio de Paulo Pelaipe é outro ponto que gera críticas dentro do Flamengo. O empresário é visto com frequência circulando pelo hotel em que o time se concentra na Barra da Tijuca.


Na véspera do clássico com o Vasco, no dia 31 de janeiro, por exemplo, Leite e Pelaipe jantaram no local.


O empresário já falou abertamente sobre os novos negócios com o Rubro-Negro. Pelaipe, por sua vez, evita citar o nome do agente quando questionado e diz não prioriza negócios com um só empresário.

Cúpula fica sem se reunir

Todas as segundas-feiras estava combinado que os vice-presidentes se reuniriam com o presidente Eduardo Bandeira para tratar do planejamento do Flamengo, mas os encontros não acontecem há três semanas. Ainda não há a confirmação de que haverá reunião na próxima segunda-feira.


E o poder centralizado de Paulo Pelaipe no Flamengo é reforçado também pela ausência dos principais nomes que integram o comitê gestor do futebol. A presença dos executivos no Ninho do Urubu não é um fato recorrente.


Wallim Vasconcellos, vice, esteve no centro de treinamentos duas vezes para conceder coletivas. Nos próximos dias fará uma viagem particular. Em janeiro, ele já havia ficado um tempo ausente do clube.


Flávio Godinho, vice de relações externas, havia viajado para os Estados Unidos e há um tempo também não é visto no clube.

Pedido por treinador

Antes mesmo de chegar ao Flamengo, Marcos Biasotto já havia sido orientado a procurar um nome para assumir o time sub-17 do Flamengo a pedido do diretor executivo Paulo Pelaipe.


O profissional fez alguns contatos no interior de São Paulo, mas nome algum foi apresentado até o início dos trabalhos no Fla.
A possibilidade de troca no comando do time não foi avisada aos gestores da base.



Fonte Link


Siga-nos pelo twitter e fique por dentro das noticias do mais querido do mundo
Postar um comentário