Translate

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Joel sobrevive a resultados isolados e vive altos e baixos no Fla; veja momentos




Em pouco mais de cinco meses de Flamengo nesta sua nova passagem pelo clube, Joel Santana ainda não conseguiu a tranquilidade necessária para comandar o time. Após um início relativamente calmo, o treinador tem convivido ultimamente com as ameaças de demissão pela falta de um padrão tático em sua equipe. Inseguro no cargo desde as eliminações no Carioca e na Libertadores, o experiente técnico experimenta altos e baixos na sua curta trajetória e se vê pressionado a cadapartida.

Os resultados, que costumam derrubar ou sustentar técnicos, parecem ser irrelevantes. A vontade de alguns dirigentes próximos à presidência é que tem dado o tom dessa “corda bamba”. A situação de momento reflete bem o dia a dia de Joel nos últimos meses. Mesmo com uma derrota, o treinador está mantido no cargo, já que o foco agora é a contratação de um camisa 10 e a diretoria deixou de lado a busca por um novo técnico.

Em outras oportunidades, nem mesmo a vitória era capaz de mantê-lo, já que vice-presidentes e diretores argumentavam que o time não apresentava uma evolução em campo. O UOL Esporte separou uma lista de altos e baixos para mostrar como tem sido a pressão sobre Joel Santana nos últimos meses. Na linha tênue entre demissão e continuidade, o treinador vai se equilibrando como pode para não cair.

EM BAIXA PELA PRIMEIRA VEZ: ELIMINADO NO CARIOCA E NA LIBERTADORES

Eliminado precocemente das duas competições do primeiro semestre, Joel Santana esteve em baixa após os fracassos na Libertadores e no Carioca. Questionado por diretores e vice-presidentes, o técnico conviveu com a pressão por sua demissão durante quase todo o mês de “férias”, entre as derrotas e a estreia no Campeonato Brasileiro. O comandante rubro-negro acabou salvo por conta de uma economia do clube. A presidente PatriciaAmorim não queria ter que arcar com mais uma multa milionária por rescisão de contrato com o técnico.

EM ALTA COM A CHEGADA DE ZINHO

A pressão pela sua demissão durante o período de jogos foi amenizada pela alta multa rescisória em um primeiro momento. Posteriormente, a chegada de Zinho salvou Joel Santana. Com um perfil conciliador e um discurso profissional, o novo diretor-executivo do futebol rubro-negro julgou que uma mudança às vésperas do início de mais uma competição. Para ele, o trabalho do técnico só poderia ser avaliado no decorrer do campeonato e após a chegada de reforços.

EM BAIXA NOVAMENTE APÓS INÍCIO RUIM NO CAMPEONATO BRASILEIRO

Joel ganhou um voto de confiança do diretor Zinho, mas não conseguiu corresponder. Nos três primeiros jogos, o time apenas empatou e tornou o ambiente insustentável mais uma vez. Em seguida, uma vitória tímida sobre o time reserva do Santos e um triunfo sobre o Coritiba. Os resultados positivos não amenizaram a pressão. A derrota para o Grêmio em Porto Alegre decretou o fim da paciência da diretoria, que, mesmo sem admitir, passou a buscar técnicos no mercado para substitui-lo.

“EM ALTA”: FALTA DE OPÇÕES E FOCO EM CAMISA 10 DÃO NOVA SOBREVIDA A JOEL

Com uma campanha irregular, Joel poderia ser demitido em caso de nova derrota no clássico contra o Fluminense. O time perdeu mais uma: 1 a 0. No entanto, a falta de opções no mercado de técnico e o foco da diretoria na contratação de um camisa 10 acabaram salvando o Natalino mais uma vez. Mesmo em baixa e sem prestígio com elenco e cúpula do futebol, o treinador conseguiu se manter “em alta” e no cargo até a próxima partida, contra o Bahia, em Pituaçu.

Fonte: Uol
Postar um comentário