Translate

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Após batalha judicial, Cáceres garante fôlego e busca redenção


Volante se coloca à disposição para enfrentar Figueirense e se diz realizado por treinar na Gávea, campo por onde passou Zico e com vista do Redentor



O número 14 está garantido. O fôlego também. Depois de ganhar uma chance entre os titulares em parte do treino deste domingo, Cáceres teve uma injeção de ânimo e se colocou à disposição de Dorival Júnior para o jogo contra o Figueirense, quarta-feira, em Florianópolis. A partida pode marcar a estreia do volante depois de uma arrastada briga judicial com a Associação Paraguaia de Futebol (APF). Após ser pego para Cristo pela APF, ele agora busca a redenção.

- Demorou muito para ser liberado, mas estou feliz por poder voltar a jogar. Vou usar o número 14, gosto muito. Dorival pode ter a certeza de contar comigo, mas tenho de mostrar no campo que posso ser titular. Estou treinando há um mês. Fisicamente estou bem, à disposição, basta provar que mereço uma chance - afirmou Cáceres.

O último jogo do volante, ainda pelo Libertad-PAR, foi no dia 26 de junho, no empate por 2 a 2 com o Sportivo Carapeguá. O volante foi substituído aos 36 minutos do segundo tempo. Na análise do preparador físico Celso de Rezende, Cáceres pode sentir a falta de ritmo de jogo.

- Acho que fisicamente pode faltar ritmo. Por melhor que esteja

fisicamente, ele não vem jogando. E nos dois primeiros jogos existe um grau de dificuldade. Não vou entrar no mérito tático e técnico. Quando ele não estava liberado, o Dorival trabalhou mais com quem sabia que poderia contar - afirmou o preparador.



Neste domingo, Cáceres treinou pela primeira vez na Gávea. E se disse feliz por estar no mesmo campo onde Zico treinou, e com vista para o Cristo Redentor.

- Muito lindo, Zico treinou aqui, fico feliz por estar pela primeira vez neste campo. Muito lindo ver o Cristo Redentor. O Flamengo tem um grande grupo, e está trabalhando muito bem - afirmou Cáceres.

O contrato de Cáceres com o Libertad-PAR terminou em 30 de junho, e o clube não recebeu um centavo sequer na saída do jogador, revelado na base da equipe guarani. O Flamengo fez uma proposta de quatro anos de contrato e teve a resposta positiva do atleta. Cáceres decidiu repassar quase US$ 800 mil (ou R$ 1,6 milhão) ao Libertad-PAR para que fosse liberado antes do término do vínculo. O clube não aceitou, decidiu segurá-lo e acusou o volante e seu representante de terem negociado diretamente com o Flamengo. A partir daí, virou batalha judicial.

Cáceres treina normalmente, demonstra seriedade e está pronto para a estreia. Na sexta-feira, o nome do volante apareceu no boletim da CBF. Depois de ser pego para Cristo, o paraguaio busca sua redenção.globoesporte
Postar um comentário