Translate

quinta-feira, 21 de março de 2013

Com Jorginho, Cadu deve atuar em posição que lembra auge da carreira




Atleta viveu melhor momento no futebol com espaço para arrancadas em diagonal e jogadas de aproximação. Novo treinador já o escala como titular


Por Cahê MotaRio de Janeiro



Carlos Eduardo em treino do Flamengo
(Foto: Alexandre Vidal / Fla Imagem)

Armador pela esquerda, pela direita, atacante de lado de campo, ponta bem aberto e até camisa 10. Carlos Eduardo tem seis anos de carreira, mas já atuou por quase todas as posições do meio-campo para a frente. Por onde passou, agradou. No Flamengo, ainda não. Maior revelação do Grêmio desde Ronaldinho, de acordo com boa parte da imprensa gaúcha, um dos principais jogadores da história do Hoffenheim, da Alemanha, e com passagens pela Seleção com Dunga e Mano Menezes, o meia-atacante ainda busca seu espaço na Gávea. Literalmente, como deixa evidente a pergunta que passa pela cabeça dos torcedores: onde escalá-lo?

Nas três partidas em que foi titular sob o comando de Dorival Júnior, Cadu atuou bem aberto pela esquerda, no esquema 4-3-3, em linha que tinha ainda Hernane centralizado e Rafinha pela direita. O posicionamento o limitava, basicamente, a ações naquele setor do campo, o que, somado à condição física ainda abaixo do ideal, resultou em atuações sem brilho e questionamentos do torcedor. Prestes a iniciar um novo ciclo com Jorginho, Carlos Eduardo falou com o GLOBOESPORTE.COM sobre onde se sente mais à vontade e relacionou sua produtividade a um ponto em especial: liberdade para movimentação.

- No Grêmio e no Hoffenheim, eu jogava livre para rodar o campo todo. Sou um jogador que gosta de partir para cima. Então, gosto de ficar pelo lado do campo para ter mais espaços para avançar e bater em gol, o fazer um-dois... Por ali, dá para receber a bola mais livre.

A declaração do camisa 10 do Flamengo vai ao encontro de análises de quem conviveu com ele nos melhores momentos de sua carreira, justamente no Rio Grande do Sul e na Alemanha. Revelado em 2007, Cadu, como era conhecido na época, foi um dos principais jogadores do time que levou o Grêmio ao vice-campeonato da Copa Libertadores da América. Na ocasião, formava dupla de ataque com Tuta, atuando pelo lado esquerdo no 4-4-2, mas não tão aberto nem com função de fazer jogadas de linha de fundo como na formação apresentada por Dorival.

No Grêmio, parceria com Lúcio e atuações como armador

Veloz e habilidoso, o meia se destacou por tabelas que permitiam com que o lateral-esquerdo Lúcio fosse o responsável por avanços até a linha de fundo, enquanto ele fazia mais arrancadas em diagonal em busca de espaços para arremates e assistências. Essa característica ficava ainda mais latente diante da opção de Mano Menezes de colocá-lo na vaga de Tcheco, para formar a dupla de armadores com Diego Souza.

- O Grêmio fazia de tudo por ali (pela esquerda), e o Carlos Eduardo era um atacante de muita movimentação. Recuava, marcava, entrava partindo para o meio, arrematava. Era um jogador muito disciplinado. Em alguns momentos, o Mano tirava o Tcheco e o puxava mais para armador. O lado esquerdo que formava com o Lúcio era muito forte, tanto que é lembrado até hoje, mas ele nunca foi um ponta. Era mais uma função de articulação. Sempre foi um guri muito batalhador – definiu o repórter Diogo Olivier, do jornal Zero Hora, de Porto Alegre.


O destaque na competição continental foi tanto que europeus como Porto, Benfica e Hoffenheim fizeram propostas pelo jogador, que optou pelo desconhecido clube da Segunda Divisão alemã. Escolha surpreendente, mas que não foi capaz de fazer com que Carlos Eduardo sumisse no mapa do futebol. Apesar de ter apenas 20 anos na época, ele se tornou rapidamente o destaque absoluto da equipe, que ascendeu de imediato à Bundesliga.

'Sempre foi muito criativo. Era impossível saber o que ia fazer', define jornalista alemão

No futebol alemão, Cadu assumiu a função de meia como jogador mais avançado na primeira linha de três do 4-3-3 do Hoffenheim. Com dois volantes marcadores na retaguarda, um deles o também brasileiro Luiz Gustavo, hoje na Seleção de Felipão, ele era o responsável por municiar o trio ofensivo e mantinha a característica do Grêmio: arrancadas em diagonal da lateral para o meio. Desta vez, no entanto, as ações aconteciam mais da direita para esquerda, abrindo espaço para finalizações com a perna boa.

- No Hoffenheim, Carlos Eduardo jogava mais como meia-armador. Em alguns momentos, abria para direita e cortava para o meio para arriscar passes e chutes. A equipe costumava atuar no 4-3-3, e ele era o nome mais avançado da linha do meio. Sempre foi muito criativo. Era impossível saber o que faria com a bola. É um dos grandes jogadores que já passaram por aqui – analisou Martin Gruener, repórter da conceituada revista alemã Kicker na região de Hoffenheim.

As boas atuações na Alemanha chamaram a atenção do Rubin Kazan, da Rússia, que pagou 20 milhões de euros (cerca de R$ 51 milhões) para contar com Carlos Eduardo em agosto de 2010. Logo na estreia, o jogador marcou dois gols diante do Amkar Perm, em partida pelo campeonato local, e animou os investidores. Um lesão no joelho em outubro, entretanto, desencadeou uma série de problemas físicos que o impediu de atuar com frequência nos dois anos e meio em que esteve no clube.

O começo animador apresentava também um Cadu com liberdade de movimentação em um time que atuava no 4-5-1. Armador pelo lado esquerdo, o brasileiro alternava com o companheiro que atuava mais aberto no setor em papel similar ao desempenhado com Lúcio, ainda no Grêmio. A característica defensiva do Rubin, por outro lado, o obrigou a desenvolver o poder de marcação.



Mais recentemente, já após a lesão, foi utilizado em papel similar ao escolhido por Dorival Júnior, mas sempre buscava se desprender da linha lateral, conforme revelou a jornalista russa, do jornal Soviel Sport, Julie Yakovleva.

- Ele pode não estar bem porque nos últimos dois anos praticamente não jogou. Na Rússia, o Carlos impressionou bastante quando chegou e logo marcou dois gols. Jogava como um número 10 e em determinados momentos mais aberto pela esquerda, parecido como vinha sendo no Flamengo. O Rubin é uma equipe famosa por sua postura defensiva. Então, em alguns momentos ele se via obrigado a defender até mais do que atacar. Em 2011, o time mudou do 4-5-1 para o 4-3-3, e o Carlos Eduardo passou a atuar aberto pela esquerda, mas tentava se deslocar para o centro do campo.

Barrado por Dorival na estreia do Flamengo na Taça Rio, Cadu deve voltar ao time titular do Flamengo diante do Boavista. Sob o comando de Jorginho, tem tido a liberdade que tanto deseja nos treinamentos táticos desta semana, apesar de no papel ter posicionamento mais centralizado. No 4-2-3-1, é o homem do meio na linha que conta ainda com Rafinha e Nixon abertos, todos atrás de Hernane. Para desempenhar a nova função, ele garante estar com quase 100% de suas condições físicas.

- Neste quesito, estou bem, estou recuperado. Só preciso perder mais um quilo. Agora, é mais questão de adaptação, tempo de bola...

Flamengo e Boavista se enfrentam neste sábado, às 18h30m (de Brasília), no Engenhão, pela segunda rodada do segundo turno do Carioca. Na estreia, o Rubro-Negro perdeu para o Resende, por 3 a 2.



Fonte Link



Siga-nos pelo twitter e fique por dentro das noticias do mais querido do mundo
Postar um comentário